ICM América Latina e Caribe constrói rede de sindicalistas na empresa MRV Engenharia

11 December 2017 10:04

 

A MRV Engenharia é uma construtora nacional que começou em 1979. A empresa atua em 148 cidades brasileiras, contando com o trabalho de quase 19 mil funcionários todos os dias. MRV é a maior parceira do governo Brasileiro no programa ‘Minha Casa, Minha Vida’.

Sindicalistas de 15 organizações diferentes que representam trabalhadores na MRV participaram neste primeiro encontro na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul no final de novembro. Esta iniciativa foi tomada para unir sindicalistas que representam os trabalhadores desta empresa na mesma sala. Foi o primeiro encontro de "diálogo social" organizado com MRV. A reunião tinha a região sul do país como foco. A reunião foi um grande sucesso.

Mais do que a trocar informação sobre cláusulas dos acordos coletivos, os sindicalistas conseguiram desenvolver uma compreensão mais sistemática das operações, políticas e tendências da empresa. Isso permite que os sindicalistas sejam muito mais estratégicos à medida que desenvolvem planos coordenados. Reuniões de rede como esta são extremamente importantes no Brasil, onde os sindicatos estão geograficamente limitados os municípios.

Os representantes sindicais anotarem a consistência com a qual a MRV modificou a estratégia da empresa nos últimos anos. Depois de se encontrar em risco de ser adicionado à ‘lista suja’ de empresas que mantêm trabalhadores em condições análogas à escravidão, a empresa fez modificações específicas e extensas às práticas de contratação em todo o país.

Especificamente, reduções significativas na terceirização e subcontratação foram feitas. Enquanto os projetos de construção em algumas cidades continuam dependendo desses métodos que pioram as condições de trabalho no setor, a empresa avançou na implementação de uma política de redução de terceirização. Esta política está sendo implementando justamente no momento que o governo nacional está habilitando a terceirização das atividades fins, a fim de permitir que as empresas ampliem drasticamente a terceirização. Os representantes da MRV comunicarem aos sindicistas que a estratégia corporativa de reduzir a terceirização continuaria apesar das mudanças legais.

Algumas inconsistências na aplicação das políticas corporativas foram destacadas pelos sindicalistas. Especificamente, o acesso a canteiros de obras para sindicalistas, a provisão de refeições e alojamento e a participação dos trabalhadores em comitês de saúde e segurança ocupacional (SST) foram destacados como áreas-chave para desenvolver trabalhos conjuntos. Essas questões foram recebidas pelos representantes nacionais da MRV. O presidente do sindicato dos trabalhadores da construção civil em Porto Alegre, Gelson Santana, observou que "apesar das notáveis melhorias nas condições de trabalho e nas práticas de contratação nos últimos anos, os sindicatos devem permanecer vigilantes e dispostos a parar os canteiros para resolver problemas quando necessário.”

Após uma visita técnica conjunta a um canteiro em Porto Alegre, os gerentes da MRV apresentaram alguns dos trabalhos sociais que desenvolveu, incluindo cursos de alfabetização e cursos específicos para desenvolvimento de carreira para mulheres da categoria. Este tipo de trabalho de formação faz parte da estratégia de contratar e desenvolver diretamente trabalhadoras e trabalhadores da MRV em vez de terceirizar.

Considerando a posição da MRV Engenharia no setor da construção e o seu potencial, a ICM e seus sindicatos afiliados tem grande interesse em desenvolver com a empresa um processo permanente de diálogo social em âmbito nacional. A reunião em Porto Alegre serviu como um piloto regional bem-sucedido. Uma reunião nacional está sendo planejado para 2018.

.