Brasil: ICM organiza Rede de Trabalhadores das Barragens e alerta para risco de mais acidentes

28 September 2017 15:50


A ICM deu os primeiros passos para a construção de uma rede global de trabalhadores de barragens durante o evento " Trabalho Seguro, Comunidade Segura", realizado na cidade de Belo Horizonte, Brasil entre dias 20 e 21 de setembro.

Os trabalhadores das barragens brasileiras estão liderando a construção de uma rede global devido ao colapso da barragem de Samarco em novembro de 2015, uma tragédia que matou dezenove pessoas e tornou-se conhecido como o pior desastre ambiental do Brasil. Quatorze dos mortos neste acidente eram membros de sindicatos afiliados à ICM.

Representantes sindicais de todo o país se reuniram para dois dias para aprofundar seus conhecimentos sobre a construção, manutenção e operação de barragens no Brasil e em todo o mundo. As práticas de saúde e segurança e o acesso aos locais de trabalho para trabalhar com os membros e potenciais membros surgirem como questões prioritárias.

As estratégias e práticas locais relacionadas estes assuntos, bem como as condições de trabalho, treinamento, sindicalização e práticas de contratação foram compartilhadas e discutidas. As práticas de terceirização receberam atenção especial devido a prevalência desta prática. Treze dos quatorze trabalhadores mortos na tragédia de Mariana estavam trabalhando para empresas que fornecem serviços à Samarco, não diretamente para a Samarco.

Mais de 17 mil das cerca de 58 mil barragens do mundo estão localizadas no Brasil. Surpreendentemente, apenas 4% dessas barragens são fiscalizados. 79% não possuem informações claras sobre suas alturas e 45% não possuem informações sobre volumes. Mais de um terço nem tem informações claras sobre a organização ou o indivíduo responsável para elas. 13% das barragens brasileiras são classificadas como "em risco" e outras 12% são classificadas como em situação de "alto risco".Todas essas barragens são construídas e mantidas por milhares de trabalhadores brasileiros que são membros ou membros potenciais da ICM.

A rede sindical brasileira de trabalhadores de barragens lançada em Belo Horizonte servirá de base para a criação de uma rede global em 2018.

Apesar das diferenças entre empresas e países, os trabalhadores de barragens devem ser protegidos em escala global. O seu trabalho também tem importantes efeitos e implicações para o meio ambiente e as comunidades locais, em particular as comunidades indígenas.

O secretário Global de Educação da ICM, Tos Añonuevo, trouxe experiências de trabalhadores de barragens de Paquistão, Namíbia e Uganda. "Apesar da dificuldade de acesso, em parte devido ao isolamento geográfico de alguns desses projetos, os sindicatos estão lutando e ganhando.

Añonuevo também destacou o potencial de aproveitar os ‘padrões de performance’ do Banco Mundial sobre condições de trabalho como uma plataforma para construir um diálogo social mais amplo.Essa realidade, combinada com a decisão da ICM de consolidar seu trabalho em suas indústrias representadas, estabelece a necessidade de convocar reuniões regionais e globais para aprofundar e consolidar a compreensão das particularidades locais e o potencial para fortalecer os sindicatos locais.